EEEEEEEEEE galera! Tô aqui de novo pra falar desse assunto que eu A-MO: móveis!

Eu já escrevi um artigo com o mesmo tema, contando um pouco sobre acabamento, controle de qualidade, processo produtivo, personalização, etc. dos dois tipos de fornecedores, se você não viu, sugiro dar uma lida antes de continuar nesse post! clica aqui e acessa.

Dessa vez, como prometido, vou falar sobre garantias, durabilidade, preço, condições de pagamento, prazo de entrega, pós venda e outros detalhes em que se diferenciam essas duas atividades.

A começar pelo preço. No outro post, eu falei um pouquinho sobre o maquinário e a exclusividade de acabamentos a que as lojas/fabricas de planejados têm acesso, além de toda a legislação e normas às quais precisam se adequar. Por essa razão, é fácil concluir que o preço de um móvel executado por lojas/fábricas é superior, se comparado aos preços praticados pelos marceneiros.

Mas isso não é totalmente verdade. Apesar das lojas/fábricas conseguirem adquirir matéria-prima a preços mais baixos (por trabalharem com grandes volumes de compra), elas precisam contratar profissionais qualificados para operar o maquinário industrial. Existe o gasto com seguro para o maquinário (e seguro de vida para os funcionários) manutenção e troca de peças regularmente, além de todas as despesas que o modelo CLT exige do empregador.

Isso encarece o produto final, é claro, mas ao mesmo tempo, as fábricas conseguem otimizar processos, ter maior aproveitamento de chapas e, com isso, praticar preços mais baixos em determinados produtos, para conseguir competir com os marceneiros. Móveis feitos com chapas de fabricação própria, por exemplo, costumam ter preços competitivos. Móveis de cores mais “comuns” como branco, também podem ter preços mais baixos, ficando, às vezes, até mais baixos do que o orçamento de marceneiros.

Como economizar na compra de móveis novos – clique e veja a matéria completa

O preço também é influenciado pelas garantias que os fornecedores dão aos clientes. As lojas/fábricas de planejados, por exemplo, costumam dar garantidas de, pelo menos 3 anos (preste atenção no seu contrato para se certificar de que as ferragens – dobradiças, pistões, corrediças, etc.- estão incluídos nessa garantia). Marceneiros, em geral, não dão nenhuma garantia de seu serviço, cobrando, muitas vezes, a visita em caso de manutenção.

No último post sobre esse tema, eu falei um pouco sobre tecnologia empregada e esse é um dos pontos que, para mim, mais influenciam na decisão. A tecnologia agregada pode ser o diferencial, quando se trata de acabamento e durabilidade. Um exemplo que demonstra muito bem essa diferença são as fitas de borda, que é aquele acabamento que é colado nas bordas das chapas recortadas para esconder a cor marrom da espessura da chapa de MDF, para que tudo fique com mesmo acabamento.

Existem pelo menos duas formas de fazer a colagem dessa fita de acabamento. Uma delas é com cola, que é o processo mais antigo. A outra é a fundição química feita com produto especial, que “solda” o material da superfície da chapa ao material da fita.

Como você deve imaginar, a cola comum, que não proporciona essa fundição é menos durável, pois a cola resseca com o tempo, além de deixar frestas que permitem a passagem de umidade para o interior da chapa, formando aqueles pontos de estufamento. A fundição química, além de proporcionar mais resistência à umidade, deixa o móvel com acabamento mais bonito, mais confortável e seguro (pois as arestas ficam mais suavizadas, diferentemente das arestas vivas da colagem comum).

Fita de borda fundida (arestas mais suaves e arredondadas)
Fita de borda com colagem comum (arestas vivas)

Em relação às formas de pagamento, para quem está com pouco dinheiro na mão, mas possui crédito, sem dúvida, a melhor opção são as lojas de móveis planejados, que conseguem dividir o valor da compra em um maior número de parcelas. Os marceneiros, em geral, pedem 50% do valor orçado, como sinal, para poder comprar o material e o restante é pago na entrega.

Não preciso nem falar que se você for contratar marceneiro, você precisa ter ótimas indicações do profissional, caso contrário, você corre o risco de pagar os 50% e nunca mais ouvir falar do profissional, que dirá receber seus móveis! (e sim, eu já ouvi milhares de histórias assim)

Independente de qual fornecedor você escolha, tenha em mente que o acompanhamento de um arquiteto contratado por você fará toda a diferença, na hora de diminuir custos e deixar tudo adequado às suas necessidades. (É claro que isso só será possível se o profissional não receber RT)

TV BAND DENINCIA A ILEGALIDADE DA CHAMADA “RT” – clique e veja a matéria completa

Aqui, na Catabila, sempre que elaboramos um projeto, temos uma reunião (na verdade, várias rsrsrs) com o fornecedor da marcenaria, para passar o pente fino, reduzindo despesas desnecessárias e propondo soluções de execução mais ágeis, mais baratas e mais duradouras.

Espero que você tenha gostado desse conteúdo! Se ficou com alguma dúvida, deixe um comentário e eu terei prazer em responder! Se gostou desse post, compartilha com quem precisa saber dessas informações! Não se esqueça de seguir a Catabila nas redes sociais para fazer parte da comunidade!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.