Bem, em primeiro lugar, você precisa ter em mente quais problemas você deseja resolver com a sua obra. LISTE! Faça um check list completo, incluindo tudo o que te incomoda e que você gostaria de mudar na sua casa! Esse check list deve demorar pelo menos uma semana para ser concluído, pois assim que você começar a elaborá-lo, vai começar a ficar mais crítico e perceber problemas que antes não incomodavam. E o período de uma semana é porque os problemas que você têm de segunda a sexta não são os mesmos do final de semana! Então, perca um tempo fazendo sua lista de desejos!

Liste, também, os benefícios que cada item desses trará para a sua vida, por exemplo:

  • aumentar bancada da cozinha
    • poder deixar os eletrodomésticos à mão
    • espaço para eu e meu(minha) companheiro(a) cozinharmos ao mesmo tempo
    • espaço para acomodar as compras que chegam do mercado

E marque com uma cor (ex: azul) aqueles itens que trarão a maior QUANTIDADE de benefícios.

BAIXE O E-BOOK “10 PASSOS PARA CONCLUIR SUA OBRA SEM ESTOURAR O ORÇAMENTO” (clique aqui)

Em segundo lugar, você precisa ORDENAR todos os itens da sua lista, por ordem de PRIORIDADE: em primeiro lugar, os itens que mais te incomodam, que precisam ser resolvidos com mais urgência. Por último, aqueles supérfluos, que são apenas luxo ou que podem esperar um pouco mais.

Feito isso, é hora de ESTIMAR! Você jamais vai conseguir ter um orçamento preciso sobre os serviços que precisam ser feitos, sem que haja um projeto de arquitetura para se ter como base. Isso acontece porque sempre vai existir uma lacuna entre o que você está imaginando para o seu ambiente, o que você consegue expressar para os profissionais que irão executar e, de tudo o que você conseguir expressar, o que esses profissionais irão entender. É a barreira da língua, que cria os “mal entendidos”.

Além disso, cada serviço, cada solução necessita de um pré-requisito, uma infra-estrutura adequada, para que possa ser implementada. É o caso, novamente, das instalações elétricas, de abastecimento de água e esgoto, por exemplo. Muitas vezes, para reformar espaços como cozinha, banheiros, áreas de serviço, home offices e livings, as instalações são esquecidas ou ignoradas e, na hora da execução, precisam ser adaptados para comportar as novas soluções. Por não incluir esses custos com a adequação da infra-estrutura, a obra costuma custar mais do que foi orçada.

Para calcular os custos com material, o ideal também é que se tenha um projeto, assim fica mais fácil de quantificar, mas se você é bom em matemática, pode pedir a ajuda dos executores na listagem do material necessário para executar cada serviço e fazer a sua tabela de orçamento!

Não se esqueça de contabilizar itens como:

  • sacos de entulho (se houver demolições)
  • equipamento de segurança (como óculos, luvas e máscaras)
  • material auxiliar, como panos, baldes, fitas adesivas, papelão ou lona para proteção, pincéis, rolos, vassouras, etc.
  • equipamentos alugados, como caçambas de entulho e andaimes

VOCÊ SABIA QUE EXISTEM VIDROS ESPECÍFICOS PARA CADA TIDO DE USO, CADA UM COM UMA TECNOLOGIA DIFERENTE? (clique aqui para saber mais)

O grande segredo para o sucesso da sua estimativa é tentar imaginar sua obra acontecendo, se imaginar no lugar dos executores e ir listando tudo o que você acha que ele vai precisar e, depois de pesquisar preço de tudo, colocar uma taxa de desperdício de 10 a 15% sobre o total.

No final da sua pesquisa, você terá um valor para mão de obra e material referente a cada um desses serviços que você elencou.

AGORA É A HORA DE CALCULAR A VIABILIDADE. Em primeiro lugar, verifique se esses serviços que precisam ser feitos implicam em alguma mudança na sua rotina: se você vai precisar sair de casa por alguns dias, se vai precisar retirar seus pertencer de dentro do espaço, etc.) e como você pode solucionar essas questões.

Verificada a viabilidade, vamos ao VALOR: primeiramente, divida sua lista de prioridades, igualmente em 3 grupos, de forma que cada grupo tenha uma quantidade semelhante de itens (como você já ordenou por prioridade, vai ser fácil, é só contar o numero de itens e dividir por 3, assim o grupo 1 ficará com os itens mais importantes, o grupo 2, meio termo e o grupo 3, com os menos importantes). Dentro de cada grupo, marque os mais caros com uma cor (rosa) e os mais baratos com outra cor (amarelo).

Dessa forma você já saberá quais itens você deve executar PRIMEIRO: AMARELOS DO GRUPO 1 (atividades importantes e baratas) e já saberá quais você deve deixar por ÚLTIMO: ROSAS DO GRUPO 3 (atividades caras que não são tão importantes)

Verifique, agora o seu orçamento disponível e determine o valor que você GOSTARIA de gastar com a obra (“nada” ou “o mínimo possível” não valem) e, também, o máximo que você PODERIA gastar, sem prejudicar suas finanças.

Vamos começar a calcular! Do valor total que você GOSTARIA de gastar, subtraia o valor dos itens amarelos do grupo 1 (atividades importantes e baratas). Depois subtraia o valor dos itens que não foram marcados de rosa nem de amarelo (cujo preço não é nem muito barato e nem muito caro) e, posteriormente,  os rosas, também do grupo 1.

ULTRAPASSOU MEU ORÇAMENTO! E AGORA??

Uma estratégia inteligente seria reavaliar as suas prioridades, tendo em mente, agora, o preço de cada uma dessas atividades. Você pode optar por não executar algumas atividades rosas do grupo 1 (importantes, porém caras) e empregar esse investimento em um numero maior de itens, dos grupos 2 e 3.

Uma tática que eu gosto de usar é selecionar, entre os itens dos GRUPOS 1 e 2 (importantes e muito importantes, porém caros), aqueles que trarão maior quantidade de benefícios (exemplo da bancada da cozinha).

Avalie, também, se você poderá executar posteriormente, os itens que ficaram de fora – quando se recapitalizar. Observe o impacto dessa nova reforma: FARÁ MUITA SUJEIRA? EU TEREI QUE SAIR DE CASA? SERÁ PRECISO REFAZER ALGUM SERVIÇO DEPOIS? QUANTO VAI CUSTAR PARA EXECUTAR DEPOIS DA OBRA CONCLUÍDA?

Com esses valores em mente, avalie quantos e quais dos itens da sua lista de desejos, você conseguiria executar e quanto tempo levaria e quais você deve eliminar, já que não vai conseguir custear. Pronto! agora você já tem completo controle sobre as suas finanças e sobre o escopo da sua obra!

Esse é o momento ideal para descobrir se vale a pena contratar um arquiteto! Tendo em mente que um projeto pode economizar até 30% do valor total gasto na obra e que, em média, custa de 5 a 10% desse valor, verifique o seu orçamento e o custo da sua obra e calcule se vale a pena investir em uma ajuda profissional!

QUANTO CUSTA UM PROJETO DE ARQUITETURA? (clique aqui)

VEJA COMO FUNCIONA A CONTRATAÇÃO E O SERVIÇO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ARQUITETURA (Clique aqui)

Mãos à obra! Comece seu planejamento e poste foto nas suas redes sociais com a hashtag #catabilaajuda. Se ficou com alguma dúvida, deixe um comentário e eu terei prazer em responder! Se você acha que esse post pode ajudar algum amigo seu ou familiar, que estejam pensando em reformar também, compartilha esse conteúdo com eles e me ajuda a disseminar essas informações, pra que cada vez menos pessoas passem por problemas relacionados à construção civil!

Não se esqueça de visitar minhas redes sociais  – INSTAGRAM e FACEBOOK – para ter acesso à curadoria de marcas, produtos e prestadores de serviço que eu indico! Um beijo e até o próximo post!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.